Top blogs de receitas
Chef Ratatui é o blog que vem ultrapassar barreiras geográficas... apesar de ser um espaço virtual pretende-se que se sinta ao meu lado a confeccionar as melhores receitas de culinária... simplesmente a Receita para o Bem-Estar!
Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30
31
subscrever feeds
tags

todas as tags

28
Jan
16

Best Food Blog in the World (Best Special Diets Blog)

For a long time, it felt like we could just follow our own path on this blog and in our kitchen. But it’s becoming more and more obvious that with a 1,5-year old and a soon 6-year old in the family, their food preferences matter too. And we should talk about that more. Isac is actually quite the happy eater. He is stuffing his face full with most food that we put in front of him. Just like Elsa did when she was younger. Now however, she has become rather selective with her food. A lot of dinners are spent listening to our daughter explaining how she loves this (pointing at oven roasted broccoli) and hates that (holds up a mushroom while shaking her hand like she was holding poison), loves this (places three raw carrots in her mouth at the same time) and hates that (scoops the lettuce off her plate and on to her little brother’s). We try to be cool about it, listen to her and sometime adapt or just try again next time. You see, she can be quite random; devour on an avocado toast one day and then completely despise it the next. She is not a fan of kale in salads but loves them as chips.

One method that always seem to work is when we place a mix of vegetables, grains, seeds, fruit and legumes on separate plates on the table and have a little Build-Your-Own-Dinner party. Then we can all pick our favourites. Except Isac, who prefers a more chaotic take on dinner and therefore get served a ready-made bowl.

gks_veggie_bowl_02

Last Friday we came up with a new version of that dinner. We gathered a rainbow selection of warm and cold vegetables, brown rice and creamy spreads in one huge bowl and then let everyone grab a fork and eat straight from the bowl – family style! We placed blankets on the living room floor, put the bowl in between us and had a movie night/indoor picnic while the snow was coming down outside. It was perfect. Until Isac sat down in the bowl. But we weren’t that hungry anyway …

We have made many #gksbowls during the last years but I think this one takes the cake. It’s the mother of all veggie bowls. And she has got something for everyone.

gks_veggie_bowl_03

We created three spreads/dips/sauces for this bowl. The first one is a Sun-dried Tomato & Red Lentil Spread which is great mixed with rice or smothered on top of a sandwich. We also made a Green Pesto inspired by this old recipe of ours. But you can also just go for a store bought. Lastly, we made a Vegan White Bean & Sunflower Sauce that was inspired by Laura’s Special Sauce. Her sauce has a whole array of spices to boost flavour but since we made this for the kid we went a little lighter with the spices and added some white beans for extra protein. It tastes amazing and the nutritional yeast give it a kind of cheesy flavour even though it’s vegan. You can choose how thick you want it by the amount of water added. Use more water if you prefer it as a runny sauce and less if you want it more as a spread.

gks_veggie_bowl_04

The Mother of All Veggie Bowls

We want you to use this recipe as inspiration and have therefore not specified exact measurements for the vegetables. Choose your favorites and adapt the amount to how many people you are serving. It is not very expensive food either and is perfect if you are on a budget. Any leftovers can be used to create similar bowls or make awesome warm sandwiches/toasts the following days.

1 batch cooked brown rice (or millet, quinoa or buckwheat)
Oven Roasted (or steamed) Vegetables (see instructions below)
Raw Vegetables (see instructions below)
Kale chips
Sauerkraut, store bought or
homemade
Pumpkin Seeds, whole or roughly chopped 
Green pesto

White Vegan Sauce (see recipe below)
Sundried Tomato & Lentil Spread (see recipe below)

In a very large and wide serving bowl: Arrange the lettuce to cover the bottom of the bowl. Then spoon up the rice in the center. Place the roasted and raw vegetables and sauerkraut in a circle around the rice. Then arrange small jars with the dipping sauces in the serving bowl or on the side and sprinkle over pumpkin seeds. Dig in! (Alternatively, let everyone pick their favourite veggies and place them in smaller bowls.)

Oven roasted or steamed veggies
Broccoli, torn into florets
Sweet potato, rinsed and cut in 1/3 inch / 1 cm slices
Parsnip, peeled and cut into thick sticks
Carrots, rinsed and cut into thick sticks
Cauliflower, rinsed and cut into florets
Beets, peeled and cut into 1 inch pieces

For oven roasting: Preheat the oven to 200°C/400°F. Place the prepared vegetables on a baking papper, drizzle with olive oil or melted coconut oil and sea salt and pepper. Toss to cover. Place in the oven and roast for 25-40 minutes until tender and golden with crispy edges.

For steaming: Pour an inch of water into a pot, place a metal strainer (or a steaming basket if you have one) over, resting on the rim of the pot, not touching the boiling water. Place the veggies in a single layer in the strainer. Bring the water to a boil, the lower the heat to a bare simmer, cover with a lid. Check the veggies often to prevent over cooked veggies, steaming time will vary depending on the type and size of veggies, but usually between 8 and 20 minutes.

Raw veggies cut in bite-size pieces
Carrots, cut into sticks
Avocado, stone removed and flesh scooped out and sliced
Cucumber, shaved with a julienne peeler or cut into sticks (with peel on)
Bell pepper, rinsed and cut into sticks
Lettuce, rinsed and patted dry
Cherry tomatoes, divided in halves

White vegan sauce
1 cup raw sunflower seeds, soaked for 20 mins
1 ½-2 cups (350 ml – 500 ml) filtered water
1/2 cup  / 125 ml cold-pressed olive oil
½ cup (80 g) cooked large white (navy) beans (we use pre-cooked store bought)
3 tbsp nutritional yeast (buy at the health food store)
2 garlic cloves, peeled
1-inch piece of fresh turmeric (or 1/2 tsp ground turmeric)
1 tsp raw unfiltered apple cider vinegar
1/2 tsp ground nutmeg
1/4 cup fresh lemon juice
fine sea salt and ground black pepper, to taste

Add all ingredients to a high-speed blender and blend until completely smooth. Taste and adjust the flavors to your liking, add more lemon juice, nutritional yeast or spices if needed. Add more water or oil if you prefer a more liquid sauce. Store in an air-tight container in the fridge.

Sun-dried tomato & red lentil spread
1/2 cup uncooked red lentils
1/2 tsp sea salt
100 g / approx. 10 large sun-dried tomato, soaked in water for 20 minutes and then rinsed and chopped
1 small clove garlic
1/2 lemon, juice
1 tsp flaky sea salt
1/4 cup water

Rinse and drain the lentils. Place lentils, 1 cup water and sea salt in a saucepan, cover and bring to a boil. Immediately lower the heat and let gently simmer for 20 minutes or until tender and can be mashed easily between two fingers. Drain any excess water, let cool slightly. Place in food processor with the rest of the ingredients and process until a smooth and creamy texture is reached. Add more water if you prefer it thinner. Taste the spread and adjust the flavors by adding more lemon juice or salt. Store in an air-tight container in the fridge.

http://www.greenkitchenstories.com/the-mother-of-all-veggie-bowls/

Thanks! Bone Apetite!!!

publicado por Chef Michael Rocha às 11:14
05
Dez
15

Ingredientes

Para a Massa:
140 gramas de manteiga sem sal em pomada
250 gramas de açúcar ou 125 gramas de Stevia
320 gramas de farinha de trigo ou  apenas metade e a outa metade com Farinha de Arroz
140 gramas de ovos (levemente batidos)
10 gramas de fermento em pó
2 gramas de bicarbonato de sódio
1 pitadinha de sal
200 gramas de polpa de morango/frutos silvestres
2 gramas de corante em pó vermelho

Para o Recheio A:
180 gramas de chocolate amargo (70% cacau)
170 gramas de creme de leite fresco
14 ml de Bacardi/Rum

Para o Recheio B:
220 gramas de chocolate branco (25% cacau)
130 gramas de creme de leite fresco
14 ml de Bacardi/Rum

Para a Decoração:
chantilly batido a gosto
placas e canudos de chocolate a gosto
flores comestíveis a gosto
frutas vermelhas variadas a gosto
geléia de brilho vermelha a gosto

Modo de preparo

Para a massa, em uma batedeira bata a manteiga com o açúcar até obter um creme esbranquiçado e fofo. Em seguida, acrescente os ovos batidos aos poucos e bata até homogeneizar. Adicione os demais ingredientes, batendo até obter uma massa homogênea. Asse em forno aquecido a 165ºC por aproximadamente 30 minutos.

 

Para o recheio A, em uma panela, ferva o creme de leite fresco. Derrame sobre o chocolate amargo e misture até homogeneizar. Por último, adicione o rum.

 

Para o recheio B, proceda da mesma forma que o recheio A.

 

Para montagem, corte os bolos ao meio depois que estiverem frios. Forre os aros (maior 20cm, menor 15cm) com filme plástico no fundo. Nas laterais, forre com acetato. Coloque no fundo dos aros uma fatia da massa, despeje o ganache escuro no aro grande e o branco no aro menor. Tampe com a outra parte da massa, pressione levemente e leve para gelar por aproximadamente 4 horas no mínimo ou de um dia para o outro.

 

Para a decoração, desenforme os bolos recheados, retire o acetato, espalhe chantilly por cima dos dois bolos coloque o menor sobre o maior e decore com frutas vermelhas passadas em geléia de brilho, as placas de chocolate ou usa a sua imaginação, canudos de chocolate, pepitas, nutela e flores comestíveis/pinhas, pergunta as crianças, etc.

 

Bom Natal e Bom Apetite!!!

publicado por Chef Michael Rocha às 21:39
17
Set
15

“CHEESECAKE” CRU DE CAJU E MIRTILO

Acredite ou não, esta espetacular sobremesa não leva açúcar, nem lacticínios, nem ovos, nem glúten...

 

http://benicemakeacake.com/

INGREDIENTES

Base
  • Nozes ou amêndoas 1/2 chávena
  • Tâmaras sem caroço 1/2 chávena
  • Sal 1/4 colher de chá
Recheio
  • Cajus ao natural e demolhados durante a noite 1 e 1/2 chávena
  • Sumo de limão 1 unidade
  • Sementes de baunilha 1 Vagem
  • Óleo de coco derretido 1/3 chávena
  • Mel biológico 1 chávena
  • Mirtilos 1 chávena

PREPARAÇÃO

Forre 4 ramequins com película aderente.

Triture os ingredientes para a base, num processador de alimentos. Divida pelos 4 ramequins e pressione com os dedos ou uma colher.

Limpe o processador de alimentos e coloque os cajus previamente demolhados. Triture até começar a ficar pastoso.
Aqueça o óleo com o mel, e adicione ao processador de alimentos com o resto dos ingredientes. Continue a triturar até ficar uma pasta homogénea e cremosa (acredite, vai ficar cremoso).

Retire 2/3 da pasta de cajus e divida pelos 4 ramequins.

Adicione os mirtilos à restante pasta, triture mais uns minutos até ficar tudo com a mesma textura e volte a distribuir pelos cheesecakes.

Leve ao congelador durante 4 horas ou até ficar solidificado.

Para servir, puxe com cuidado a película, ao mesmo tempo que aquece os ramequins com as mãos. Aguarde uns minutos antes de servir.

Pode decorar com figuras de chocolate temperado.

Dicas

Esta receita dá para 4 mini-cheesecakes ou 1 cheesecake médio.
 
Bom Apetite!!!

 

publicado por Chef Michael Rocha às 21:24
16
Set
15

Alimentação do Bebé e o seu ​Tempo de Preparação: 16 m

Material Necessário:

  • Panela
  • Colher de Pau
  • Varinha Magica e o seu Copo para Triturar
  • Salazar

Ingredientes:

  • 130g Abóbora
  •   30g Polenta
  • 150ml Água mineral ou de nascente adequada para bebés
  • 1 Colher de chá de azeite Extra Virgem com pouca acidez (*)

Modo de Preparação:

  1. Numa panela com a água a ferver coza a abóbora. Depois de cozida, junte 1 Colher de chá de Azeite Extra Virgem, triture com a varinha mágica.
  2. Juntar a polenta e deixar cozinhar durante cerca de 5 minutos, mexendo de vez em quando.
  3. Deixe arrefecer até ficar morno antes de servir ao seu bebé.
  4. Nota Importante: Não adicione sal.
    (*) Como escolher Azeite
Utilizado desde tempos imemoriais como ingrediente culinário, o Azeite foi “redescoberto”, tendo-se convertido num dos pilares da cozinha moderna e saudável. O seu consumo não se confina às regiões produtoras, e espalha-se hoje por países tão distantes como o Japão ou a Austrália.

O Azeite dá sabor, aroma e cor, integra os alimentos, personaliza e identifica um prato.

Na hora de escolher um azeite deve-se esquecer:

Da acidez do azeite pois está não está directamente relacionada com o seu sabor. A acidez está relacionada com o estado fitossanitário das azeitonas, enquanto que o sabor, cor e cheiro do azeite é dado por pequenos compostos chamados compostos menores.

Da cor do azeite pois esta não está relacionada com a qualidade. Azeites mais verdes são provenientes de azeitonas mais verdes enquanto que azeites mais amarelos são provenientes de azeitonas mais maduras.

E deve lembrar-se que:

O azeite inicia processos de deterioração a partir do momento em que é extraído, logo não deverá armazená-lo por períodos muito prolongados de tempo.

Dentro da ampla gama de Azeites hoje disponível no mercado, deverá eleger o Azeite em função da sua utilização culinária e do seu gosto pessoal, sendo que os tipos disponíveis são:

Azeite Virgem Extra: Azeite de qualidade superior, com sabor e cheiro intensos a azeitona sã. Não apresenta nenhum defeito organoléptico. Acidez igual ou inferior a 0,8%. Apto para o consumo directo e ideal para temperar a cru. Os azeites virgem extra de sabor mais suave são ideais para o tempero de saladas e alimentos com sabor mais suave, bem como para a doçaria. Por outro lado, os azeites virgem extra de sabor mais intenso vão melhor com alimentos de sabor mais marcado e poderão ser utilizados para a confecção de alguns molhos.

Azeite Virgem: Azeite de boa qualidade, com sabor e cheiro a azeitona sã. Acidez igual ou inferior a 2%. Apto para consumo directo e apropriado para assados, sopas, refogados ou marinadas.

Azeite – contém azeite refinado e azeite virgem: Trata-se de azeite refinado, enriquecido com azeite virgem, aromático e frutado, com grau de acidez igual ou inferior a 1,0%. É ideal para frituras dada a sua elevada resistência às altas temperaturas. É mais barato, mantém o valor nutritivo do azeite e tem um ponto de fumo bastante elevado o que permite aumentar o seu número de utilizações. Além disso, forma uma crosta na superfície dos alimentos, que impede a penetração do Azeite no interior dos mesmos. Com a utilização do Azeite para a fritura obtêm-se fritos mais secos e apetecíveis.

Dentro dos Azeites que se encontram no mercado podem, ainda, encontrar-se os ”Azeites com Denominação de Origem Protegida” (DOP), os “Azeites da Agricultura Biológica” e os “Azeites Elementares ou Monovarietais”.

Os “Azeites DOP” têm origem numa área geográfica delimitada, com solos e clima característicos e são exclusivamente elaborados com azeitonas de certas variedades de oliveiras. Estes factores, aliados ao saber fazer tradicional da região, que se consubstancia no modo de condução das árvores, apanha da azeitona e extracção do Azeite, conferem-lhes tipicidade e características qualitativas que os permitem distinguir dos demais.

Portugal possui, actualmente, seis denominações de origem protegida para Azeites:
“Azeites de Moura”,
“Azeites de Trás-os-Montes”,
“Azeites da Beira Interior (Azeites da Beira Baixa e da Beira Alta)”,
“Azeites do Norte Alentejano”,
“Azeites do Ribatejo” e
“Azeites do Alentejo Interior”.

Os “Azeites da Agricultura Biológica” são provenientes de olivais conduzidos de acordo com o modo de produção biológico, tal como previsto pela Regulamentação Europeia. Este modo de produção obriga a diversos condicionalismos importantes, designadamente à manutenção do fundo de fertilização dos solos, à utilização de rotações adequadas e ao respeito por normas fitossanitárias e de fertilização muito estreitas, sendo praticamente interdita a utilização de produtos químicos de síntese.

Os “Azeites Elementares ou Monovarietais” são obtidos de uma só variedade de azeitona.

http://www.casadoazeite.pt/Azeite/Como-escolher

Bom Apetite!!!

 

publicado por Chef Michael Rocha às 12:10
16
Jul
15

Mousse de Chia

Pequeno almoço nutritivo e delicioso!!!
Esta mousse de Chia é feita com leite de coco caseiro. Leite esse que é adoçado com as tâmaras mais deliciosas , moles (são super cremosas) e com um sabor único a caramelo. Tâmaras Medjool disponíveis em:

https://instagram.com/purosumo/

INGREDIENTES
Leite de coco:
1 chávena de coco ralado
2 a 3 chávenas de água potável morna
5 a 8 Tâmaras Medjool Puro Sumo
Uma pitada de baunilha crua em pó Puro Sumo

RECEITA

Tirar os caroços às Tâmaras. Coloque todos os ingredientes num liquidificador e é necessário bater bem (uns bons 3 ou 4 minutos ) até ficar tudo muito bem misturado e as tâmaras bem desfeitas. Passar o leite de coco por um coador para uma tigela pequena. Juntar 1/2 chávena de sementes de chia, mexendo constantemente com um batedor de varas para as sementes não colarem. Deixe descansar por cerca de 1 hora ou de um dia para o outro. Sirva com fruta, hortelã e se desejar alguns pedaços daquele chocolate que mais gosta.

Mais info sobre os produtos especiais na pagina da Puro Sumo.

Bom apetite!!!

publicado por Chef Michael Rocha às 10:23
28
Abr
15

What is a custard, anyway? It is a delicious dessert, yes, but technically speaking it's a liquid that has been thickened or set via the coagulation of egg protein. The key to perfect custards is to keep the internal temperature of the mixture below 185 °F / 85 °C—above that point, they have a tendency to curdle. And curdling, dear friends, is the bane of any custard baker.

Enter sous vide. By cooking custards in a sous vide bath, we can precisely dictate the temperature to which they are heated, thus eliminating the risk of a curdled dessert. We prepare our Crème Brûlée—along with other delightful eggy treats, scroll down for those recipes—in small Mason jars, so the desserts emerge individually portioned in their own adorable vessel. Before serving, we add a golden-brown layer of caramelized sugar using a blowtorch—don't worry if you've never tried it, we'll walk you through the technique. The result: a sunshine-hued dessert with a deliciously crackly top and a whisper of elegant sweetness, easy to whip up (even if you're serving a large group) and eminently satisfying

 

Equipment

Blowtorch,

Tea strainer, or other fine-mesh strainer (optional)

 

5 to 6 servings x4

Timing 3 hrs
Adjust based on recipe x4
 
  640 g Egg yolk, about 11 yolks
  360 g Granulated Sugar, plus more for dusting
    12 g Salt,
2400 g Heavy cream
 
Heat water bath to 176 °F / 80 °C.
Crème Brûlée
 

Combine yolks, sugar, and salt

640 g Egg yolk,
360 g Granulated Sugar,
12 g Salt
 

Whisk until smooth.

 
Crème Brûlée
 

Heat cream; slowly pour cream into egg mixture.

2400 g Heavy cream
 

In a pot on the stove, heat cream to 158 °F / 70 °C.

Begin slowly pouring cream into the egg mixture—introducing the cream slowly ("tempering") allows us to combine ingredients without causing the eggs to curdle. You can increase the pour rate gradually as you go.

Crème Brûlée
 
Crème Brûlée

When you're tempering liquids together in a bowl, it helps to make a sturdy foundation for the bowl, so it doesn't wiggle around while you're holding a pot of hot liquids above it.

Here's the technique: Dampen a kitchen towel. Twist the ends of the towel and make a circle on the table that's big enough to hold your bowl. Place the bowl inside the circle.

Strain the mixture, then allow to rest for 20 to 30 minutes so that bubbles have time to rise to the top and dissipate.

Skim away any remaining bubbles.

Crème Brûlée
  
Cast 600 g of mixture into each jar, pouring in a slow, low, steady stream. Pouring too quickly, or from too high above the jar, will cause bubbles to form on the surface of the custard.
 
Crème Brûlée
 
Crème Brûlée

If bubbles form on the surface of the custard as you pour, lightly flash the top with a blowtorch to remove them. Remember to do this quickly, using a pulsing action. You can easily cook the eggs on the surface if you torch too long.

 
Place the lid on the jar. Twist the lid until "finger-tip tight," meaning it's just barely closed, but you can still open it easily.

To close the jars "finger-tip tight," place the lid on top of the jar, then twist the band to tighten using just your fingertips. When you begin to feel resistance, twist once in the opposite direction, then once more to tighten.

Closing the jars until "finger-tip tight" means that air will be able to escape from the jars when you submerge them in water. If you close them too tightly, the trapped air will press against the glass and could crack or break your jars.

Crème Brûlée
  
Place jars carefully into the sous vide water bath and cook for one hour.

Prepare an ice bath.

 

Crème Brûlée
  
Remove jars from the bath and place in an ice bath to chill.

Once the jars are cold they will last up to a week, sealed, in the refrigerator.

 
Crème Brûlée

There's isn't just one correct way to create a crackly top layer of caramelized sugar on your creme brûlée—every chef uses different sugars, torches, and techniques. Use the steps below to get started, and then customize your approach depending on your tools and preferences.

 
Crème Brûlée
 
 

Remove the lid from the jar. If condensation has pooled on the surface of the custard, gently dab with the corner of a paper towel to remove.

Using a small sieve or your fingers, dust a layer of sugar over the surface of the custard. The more sugar you use, the more crunchy and caramelized your top layer will be.

Set blowtorch to a low gas-release setting. Holding the torch in your dominant hand, and the jar in the other, focus the flame on the custard, while rotating the jar. Control the heat by moving the torch closer and further from the custard—the distance should range from between 10 and 24 inches.

Once you have achieved the color you want, allow the sugar to set for five minutes. This will give it time to fully harden and reach its full crunchy potential.

 
Crème Brûlée
 
Bom Apetite!!!
 
Crème Brûlée
http://www.chefsteps.com/activities/creme-brulee
 
 

 

publicado por Chef Michael Rocha às 23:14
27
Dez
14

Há alguns dias que me apetece algo, passar uma quarta-feira inteira (ultimo dia do ano) a cozinhar um bom guisado de carne, mas com a receita certa, os ensopados já não são relegados para extravagâncias. São considerados nos tempos que correm uma iguaria que só num fim de semana como este do final do ano se consegue fazer, com todo o tempo se despende (ou ganha) com ele. Nós amamos o que podemos ter neste inverno de Revelion salgados, marisco, caldo verde, passas e espumante. Mas melhor do que isso e em troca do caldo verde algo muito mais quente sobre a mesa, e esta combinação ainda perfumada com chocolate, mostarda, e carne com vegetais é fazer deste uma “Satisfyingly” refeição rica e saudável para aguentar estes graus (álcool) de frio, sempre bem regado.

É preciso alguma técnica para qualquer guisado. Podem sempre tentar outras carnes e especiarias para diferentes sabores panela de pressão e ou panelas de ferro ou cobre bem estanhado, e pesado. Uma boa lareira e muita dedicação.

Neste caso vou usar a nossa tão amada panela de pressão, para poder ganhar algumas horas de diversão também...

Dica: Caso faça em excesso pode mantê-lo no congelador e até se aguenta por um ou dois dias de descanso no frigorifico e voltar a carga. É mesmo delicioso como farto brunch de comida quando coberto com uma gema perfeita e um cálice de um bom vinho.

Rabo de Novilho.JPG

 

Serve 8 a 10 PAX

Ingredientes:

3000 g Água ou Caldo de Carne

1000 g Bife, Naco

2000 g Carne de Novilho, Rabada mais conhecido por “Rabo de Boi”

200 g Azeite para selar

160 g Polpa de tomate

400 g Cebola doce, ½ luas

400 g Cenoura, ½ luas

400 g Crimini cogumelos, Cortado em ¼ ou outros ao vosso gosto

1000 g Batata, ½ luas

200 g Alho Francês, ½ luas

8 g Tomilho, escolhidas frescas

2 g Folha fresca louro

400 g Chocolate, Negro 70%

6 g Piripiri Fresco (hot q.b.)

28 g Salsa em folhas

60 g Sal

48 g de Farinha de Arroz

200 g Mostarda Velha em grão

160 g Manteiga

 

Parte I – Selar estes Ingredientes na Panela de Pressão depois de limpar devidamente a carne, caso o telhante não seja da sua confiança.

 

1000 g Bife, Naco

2000 g Carne de Novilho, rabada mais conhecido por “Rabo de Boi”

...

200 g Azeite para selar

160 g Polpa de tomate

3000 g Água ou Caldo de Carne

 

Preparação:

Selar a carne na panela de pressão até que todos os lados estejam bem tostados bem ou mesmo muito escuro. Em seguida, retire e reserve.

Adicione a pasta de tomate e selar até escurecer. Adicionar uma pequena quantidade de caldo/água, e raspar tudo muito bem.

Adicionar 3000 g água ou caldo, em seguida, adicione a carne de volta à panela de pressão, e deixe cozinhar durante 45 minutos.

Aliviar a pressão e escorrer o caldo para um recipiente separado e deixar repousar durante alguns minutos para separar a gordura do suco

Enquanto o caldo está escorrendo e se clarifica, retire a carne da panela de pressão. Desfiar a rabada e extrair os ossos, e desfaça os nacos em pedaços menores.

Com uma espumadeira filtre a gordura que ficou a tona do caldo já mais esfriado, e voltar a inserir na panela de pressão. Ferva o líquido em fogo alto até ficar completamente evaporado. Em seguida, adicione a farinha. Cozinhe até ficar escuro, e em seguida, adicione o caldo restante novamente.

 

 

Parte II - Cozinhar Vegetais

 

Stew Veg.JPG

 

 

400 g Cebola doce, ½ luas

400 g Cenoura, ½ luas

400 g Crimini cogumelos, Cortado em ¼ ou outros ao vosso gosto

1000 g Batata, ½ luas

200 g Alho Francês, ½ luas

2 g Folha fresca louro

60 g Sal

 

Preparação:

Adicionar vegetais, folha de louro, sal, piripiri e cozinhe, mexendo até ficarem bem macios.

 

 

Dica:

Adicione os vegetais, por ordem a realizar a cozedura que pretenda. Nós adicionamos batatas e cenouras em primeiro lugar; em seguida, cebola e folhas de louro; em seguida, sal, piripiri, alho francês; e no fim os cogumelos.

 

Uma vez que os vegetais estão cozidos, retorne ao puxado a carne para a panela e mantê-la em fogo brando baixo por cerca de 20 minutos.

 

Parte III - Tempere e Sirva

8 g Tomilho, escolhidas frescas

400 g Chocolate, Negro 70%

28 g Salsa em folhas

200 g Mostarda Velha em grão

160 g Manteiga

Uma vez que o guisado já apurou por cerca de 20 minutos e todos os sabores têm desenvolvido e interligação, adicione o tomilho, mostarda, chocolate negro, e manteiga. Misturar bem.

Dica:

Adicione o caldo ou água para diluir, se desejar.

Mexa delicadamente para não fazer puré ou não se assim preferir.

Acrescente a salsa fresca. Só na altura de servir, assim nunca vai escurecer e o seu aroma maravilhoso.

 

Stew.JPG

 

 

Um Grande Novo Ano 2015 cheio de Aventuras e muito Sucesso.

Bom Apetite!!!

 

 

 

publicado por Chef Michael Rocha às 17:15
14
Dez
14

Serve 12 Canapés

holizontal-pan-1-2.jpg

Ingredientes:

12 Cogumelos Portobello Pequenos de Preferência

2 colheres de sopa Azeite de extra-virgem

¼ colher de chá de cada sal marinho e pimenta do reino

¼ Chávena / 60ml de Cranberry Sauce caseiro de boa qualidade

½ Roda de Brie Cremoso

12 pedaços de nozes (12x½ Noz)

4-5 raminhos de Tomilho Fresco

 

Preparação:

Pré aquecer o forno a 200°C / 400 ° F. Forre uma assadeira com papel manteiga ou papel alumínio.

Limpe tampas de cogumelos com um pano húmido e retire o caule - este é um bom trabalho para pequenos ajudantes de cozinha.

Escove Tampas de cogumelos por dentro e por fora com azeite.

Coloque na assadeira, caule para de cima, e polvilhe com sal e pimenta. Colocar um colher de café de molho de Cranberry em cada tampa.

Corte o queijo brie em pedaços pequeno e coloque um em cada cogumelo.

Cubra com um pedaço de noz e coloque no forno.

Asse por 15-17 minutos, ou até que o queijo esteja a borbulhar.

Deixar esfriar pelo menos 10 minutos antes de servir.

Decore com algumas folhas de tomilho fresco e sirva morno.

vertical-plated-1-1.jpg

 

Bom Apetite & Feliz Natal!!!

 

 

 

 

 

 

 

 

Leia mais em http://www.jamieoliver.com/news-and-features/features/stuffed-mushrooms-recipe/#KssWpjZ1SBuSF3z2.99

publicado por Chef Michael Rocha às 15:03
24
Nov
14

Bolo que nada tem a ver com Kahlua

Bolo que nada tem a ver com Kahlua

serve 6 a 8

 

INGREDIENTES

1 chávena de farinha de amêndoa (amêndoa moída)
1 chávena de trigo serraceno
2 saquetas de pudim El Mandarin
1/3 chávena de cacau em pó (usei Macaccino Iswari)
1 colher de chá de fermento em pó
1 beterraba, ralada
80g de chocolate preto partido em pedaços
3 ovos ligeiramente batidos
1/3 de chávena de óleo de coco derretido
1/2 chávena de xarope de acer
1/3 chávena de leite de coco

 

RECEITA

Aqueça o forno a 170º. Unte uma forma com óleo de coco e polvilhe levemente com cacau. Reserve.

Numa tigela grande misture as farinhas, pudim, cacau e fermento. Junte a beterraba e chocolate, misture novamente.

Numa tigela pequena misture, os ovos, óleo de coco, acer e leite de coco. Junte à mistura com a beterraba e envolva delicadamente até ficar sem grumos (ou pedaços de farinha) deite na forma preparada e leve ao forno por 18 minutos ou até ficar cozinhado.

Retire do forno, vire para uma grade própria e deixe arrefecer ligeiramente antes de cortar. Fica delicioso com os pedaços de chocolate ainda derretidos no interior.

 

Bom apetite!!!

 

chocolate kahlua cake recipe

 

chocolate kahlua cake recipe

 

 

 

http://www.diascommafalda.com/bolo-que-nada-tem-a-ver-com-kahlua/

http://bakedbree.com/chocolate-kahlua-cake

publicado por Chef Michael Rocha às 22:30
12
Nov
14

 

225g bolachas digestivas

115g manteiga

1 lata de leite condensado

4 colheres sopa de coco ralado

4 de cacau em pó.

Derreter a manteiga, deixar arrefecer. Partir as bolachas (se possível na picadora) até ficarem desfeitas. Juntar o leite, o cacau e o coco. Levar ao frigorífico durante 1h, no mínimo. Com a massa tender bolinhas e cobri-las com coco ralado, chocolate e nozes. Bom apetite!

 

Bom apetite!!!

publicado por Chef Michael Rocha às 23:50

| B iografia |

 

Julgo que é mais importante mencionar alguns factos importantes como surgiu este gosto pela cozinha, onde tem origem esta vontade de “ser alguém” no mundo da cozinha?

Comecei a cozinhar muito cedo com a ausência da minha mãe. Não quero mentir, não sou muito bom em datas, mas com sete ou oito anos já cozinhava alguma coisa e com 10 anos cozinhava a sério e com 15 anos já era um cozinheiro por necessidade.

Quando comecei a trabalhar nesta área, aliás, quiseram-me na Cozinha por mero acaso, o Cozinheiro para uma festa de Fim de Ano de uma Empresa de Eventos, despediu-se a ultima hora e quem acham que foram buscar. É mesmo, como eu digo na “hora certa no local certo”. Tentei durante estes anos todos ser cada vez melhor e aperfeiçoar-me. Tinha uma vocação natural, é o que me diziam, um dos meus grandes segredos do empenho e do suposto sucesso que tenho tido é nunca me ter desviado deste caminho de ser já um cozinheiro chefe como ter um Dom para tal e ponto final.

| V   isitantes |

cozinheiro(s) online
últ. comentários
Uii! São mesmo deliciosos! Thanks!
Adoro estes petiscos!
Olá Susana, é sempre bom receber noticias tuas. Ob...
Ficou uma maravilha!
Olá Susana,Obrigado pela sua opinião e volte sempr...
Uma excelente ideia, a de usar os cookies na base....
Olá Susana,Ficaram deliciosos, mesmo! Faz-me lembr...
Ficaram tão gulosos...Bjs, Susanahttp://tertuliada...
Olá Susana,Uiii! Se é! Depois da-me o teu feedback...
Deve ser uma delicia, adorei.Bjs, Susanahttp://ter...