Top blogs de receitas
Chef Ratatui é o blog que vem ultrapassar barreiras geográficas... apesar de ser um espaço virtual pretende-se que se sinta ao meu lado a confeccionar as melhores receitas de culinária... simplesmente a Receita para o Bem-Estar!
Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
subscrever feeds
tags

todas as tags

22
Fev
11

Madeira

"...O vale do Curral das Freiras;
todo o despenhar violento das límpidas torrentes pelos cerros de basalto e verdura; explorar a vertigem dos abismos e atingir o êxtase ante o promontório agreste
e sombrio do cabo Girão, uma das falésias mais altas do Mundo..." Em homenagem a um amigo Madeirense/+Alfacinha Baptista.

 

 

 

 

Bifes de Atum


Ingredientes:
Para 4 pessoas

  • 1 posta de atum com cerca de 800 g ;
  • 1 dl de vinagre de vinho branco ;
  • 3 dentes de alho esmagados ;
  • 1 folha de louro ;
  • 1 pé de manjerona ;
  • sal ;
  • 1,5 dl de azeite (ou óleo) ;
  • 1 tomate maduro

Confecção:

Corta-se o atum em bifes compridos mas pouco espessos, tempera-se com o vinagre, os dentes de alho esmagados, o louro, a manjerona e sal e deixa-se ficar nesta marinada durante algumas horas.
Depois de escorridos, fritam-se os bifes de atum no azeite bastante quente. Quando os bifes se apresentarem bem louros junta-se-lhes a marinada, adicionando-se ao mesmo tempo o tomate cortado aos bocados. Deixa-se ferver, esmagando-se o tomate com uma colher de pau de modo a engrossar o molho.
Colocam-se os bifes numa travessa, regam-se com o molho passado por um passador e acompanham-se com milho frito ou batatas cozidas ou ainda arroz de lapas de preferência.

 

 

Hummm, que delicia...!!!

 

Espetada madeirense

 

A espetada madeirense é tão deliciosa quanto conhecida. E é muito simples de fazer.

 

 

Ingredientes para 4 Pax:

1 kg de lombo de vaca

sal grosso q.b.

folhas de louro q.b.

alho q.b.

Manteiga

 

Preparação:

 

Corte a carne aos cubos.

Separadamente, misture o sal grosso com as folhas de louro cortado e o alho esmagado.

Enfie depois a carne em espetos de louro (paus de louro mesmo; e o segredo esta aqui mas quem não pode ou não gosta) ou de metal (alumínio, por exemplo).

Junte seguindamente, com as mãos, o preparado, espremendo o sal, o louro e o alho contra a carne espetada.

Coloque os espetos sobre as brasas.

Tenha cuidado para a carne não ficar muito seca.

(Muitos madeirenses optam por carne com um pouco de gordura, pois deste modo não fica seca quando estiver a assar. A quantidade de sal é também muito importante. Se notar que a carne está com demasiado sal bata com a mão no espeto para que saiam algumas pedras)

Quando a carne estiver suficientemente queimada, pode juntar-lhe, se for do seu agrado, manteiga (sempre a evitar mas desde que não seja em excesso, tudo bem).

 

 

Na Madeira, a espetada costuma ser acompanhada com salada de alface, pão e vinho tinto.

 

Bolo do Caco


Confecção:

Massa de pão: A massa para o bolo do caco  é uma massa de pão de trigo vulgar, feita com farinha de trigo, fermento de padeiro (caseiro ou industrial), água e sal. Fazendo o fermento em casa, este obtém-se misturando um pouco de farinha com água morna nas quantidades necessárias para resultar uma massa mole. Esta massa é deixada durante 1,2 ou 3 dias a fermentar; depois utiliza-se juntando à farinha. A proporção depende do tempo que tem de fermentação. Usando o chamado fermento de padeiro industrial, este é utilizado na proporção de 30 a 50 g por cada kg de farinha de trigo.
Feita e fermentada a massa de pão (que até se pode comprar na padaria), divide-se em bolas que se achatam de modo a formar uma bolacha com a espessura de 3 cm e um palmo de diâmetro. Tem-se uma pedra muito quente, sobre a qual se coloca a bolacha. Deixa-se cozer e ganhar uma crosta fina, mas ligeiramente queimada. Vira-se e deixa-se cozer igualmente do outro lado. Pega-se agora na bolacha na vertical e roda-se de modo a alourar também os bordos.
O bolo do caco acompanha a refeição ou pode comer-se quente, simplesmente com manteiga.
É indispensável para acompanhar a espetada nas romarias.

É condição para a boa cozedura do bolo do caco que a pedra esteja escaldante, sendo aquecida por meio de qualquer combustível, podendo até ser usado para o efeito um vulgar fogão a gás.

Diz-se que antigamente era de basalto a pedra onde se cozia o bolo do caco. Hoje vendem-se na Madeira nas casas de artigos de construção placas de cimento que substituem as referidas pedras de basalto.

 

 

Quentinho com Manteiga, Alho e Ervas Aromaticas, tanto faz de entrada ou sobremesa.

 

Bom Apetite...!!!

publicado por Chef Michael Rocha às 11:37
13
Fev
11

Gastronomia

 

Propõe-se contar a história de vida de todos os comeres, associada sempre às pessoas que criam um determinado manjar. Celebramos acima de tudo os alquimistas dos sabores, isto é, aqueles que cozinham com gosto. Importa conhecer o ambiente em que praticam as artes da cozinha e da mesa, o que trazem de diferente àquela que será provavelmente a mais apetitosa das doutrinas, rica em história e estórias: a gastronomia.

 

Seja ele gastromaníaco ou autodidacta, complexo ou simples, minimalista ou arabesco, o estilo e a forma de fazer são reinventados a cada nova geração de necessitados na cozinha. E que bem que sabe!


Saber cozinhar, destina-se a pessoas que não queiram apenas satisfazer o apetite, mas antes sintam necessidade de encontrar a informação genuína sobre aquilo que comem, em todos os contextos, assim como compreender a importância da tradição e da herança dos comeres através das influências de outros povos do mundo. Tentamos ir ao encontro do lugar de nascimento da iguaria, percebêla melhor, olhar de forma diferente, saber como é preparada e porquê.

 

Um cozinheiro, trata de pessoas verdadeiras, lugares essenciais, sabores múltiplos, tentando desvendar as histórias por detrás de cada cardápio, de cada prato, de cada ingrediente. Estamos longe de pretender ser especialistas absolutos, mas antes ávidos de saber e de dar a conhecer o que aprendemos, numa partilha de paixões. É um ser que esta em constante aprendizagem.

 

Bom apetite!!!

publicado por Chef Michael Rocha às 13:12

| B iografia |

 

Julgo que é mais importante mencionar alguns factos importantes como surgiu este gosto pela cozinha, onde tem origem esta vontade de “ser alguém” no mundo da cozinha?

Comecei a cozinhar muito cedo com a ausência da minha mãe. Não quero mentir, não sou muito bom em datas, mas com sete ou oito anos já cozinhava alguma coisa e com 10 anos cozinhava a sério e com 15 anos já era um cozinheiro por necessidade.

Quando comecei a trabalhar nesta área, aliás, quiseram-me na Cozinha por mero acaso, o Cozinheiro para uma festa de Fim de Ano de uma Empresa de Eventos, despediu-se a ultima hora e quem acham que foram buscar. É mesmo, como eu digo na “hora certa no local certo”. Tentei durante estes anos todos ser cada vez melhor e aperfeiçoar-me. Tinha uma vocação natural, é o que me diziam, um dos meus grandes segredos do empenho e do suposto sucesso que tenho tido é nunca me ter desviado deste caminho de ser já um cozinheiro chefe como ter um Dom para tal e ponto final.

| V   isitantes |

cozinheiro(s) online
últ. comentários
Uii! São mesmo deliciosos! Thanks!
Adoro estes petiscos!
Olá Susana, é sempre bom receber noticias tuas. Ob...
Ficou uma maravilha!
Olá Susana,Obrigado pela sua opinião e volte sempr...
Uma excelente ideia, a de usar os cookies na base....
Olá Susana,Ficaram deliciosos, mesmo! Faz-me lembr...
Ficaram tão gulosos...Bjs, Susanahttp://tertuliada...
Olá Susana,Uiii! Se é! Depois da-me o teu feedback...
Deve ser uma delicia, adorei.Bjs, Susanahttp://ter...